Google
 

quinta-feira, janeiro 27, 2011

A Importancia da Amizade

Um jovem recém casado estava sentado num sofá num dia quente e úmido,
     bebericando chá gelado durante uma visita à casa do seu pai. Enquanto
     conversavam sobre a vida,  o casamento, as responsabilidades, as
     obrigações e deveres da pessoa adulta, o pai remexia pensativamente os
     cubos de gelo no seu copo, quando lançou um olhar claro e sóbrio para
     seu filho, e disse:     Nunca se esqueça de seus amigos! - aconselhou
     Serão mais importantes na medida em que você envelhecer.
     Independentemente do quanto você ame sua família, os filhos que
     porventura venham a ter, você sempre precisará de amigos. Lembre-se
     de, ocasionalmente, ir a lugares com eles; divirta-se na companhia
     deles; telefone de vez em quando...
     Que estranho conselho - pensou o jovem. Acabo de ingressar no
     mundo dos casados.
     Sou adulto. Com certeza minha esposa e minha família serão tudo
     o que necessito para dar sentido à minha vida! Contudo, ele seguiu o
     conselho de seu pai. Manteve contato com seus amigos e sempre
     procurava fazer novas amizades.
     À medida em que os anos se passavam, ele foi compreendendo que
     seu pai sabia do que falava.
     À medida em que o tempo e a natureza realizavam suas mudanças e
     mistérios sobre o homem, os amigos sempre foram baluartes em sua vida.
 Passados mais de 50 anos, eis o que o jovem aprendeu:
            O Tempo passa.
            A vida acontece.
            A distância separa...
            As crianças crescem.
            Os empregos vão e vêem.
            O amor se transforma em afeto.
            As pessoas não fazem o que deveriam fazer.
            O coração para sem avisar.
            Os pais se vão.
            Os colegas esquecem os favores.
            As carreiras terminam.
            Mas os verdadeiros amigos estão lá, não importa quanto tempo nem
            quantos quilômetros tenham afastado vocês.
            Um amigo nunca está mais distante do que o alcance de uma
            necessidade, torcendo por você, querendo-lhe bem, abençoando sua vida!
            Quando iniciamos esta aventura chamada VIDA, não sabemos das
            incríveis alegrias e tristezas que experimentaremos à frente, nem
            temos boa noção do quanto precisamos uns dos outros...
            Mas, depois de muitos anos já sabemos muito bem o quanto
            cada um foi importante para nós!

quinta-feira, janeiro 20, 2011

Aqueles que desertam - Texto Espirita

Livro: Conviver e Melhorar - 34

Batuíra & Francisco do Espírito Santo Neto

 

"De fato, é de perseverança que tendes necessidade, para cumprirdes a vontade de Deus..." (Hebreus, 10:36).

 

Perseverança cristã abrange um estado de maturidade ou evolução vivenciados nos setores vitais da existência da alma: o social, o físico e o espiritual. Essa vivência permite-nos assumir as mais diversas responsabilidades diante da vida. A maturidade física seria apenas um setor, pois apenas se refere à integridade do organismo denso, porém não basta para traçarmos um verdadeiro perfil de maturidade evolutiva.

 

Companheiros inconstantes e vacilantes assemelham-se às ondas do mar: são arremessados pelos ventos da instabilidade e atirados de um lado para outro. Desenvolveram-se fisicamente, mas continuam ainda infantilizados quanto aos compromissos com a lide do Senhor. Não compreendem a importância da hora que passa e, sem firmeza, recuam ante os desafios do serviço. Não possuem fibra nem pulso forte.

 

Na Casa Espírita, se a maioria procura agir entre a perseverança e a responsabilidade, alguns se esquecem com facilidade de seus postos de trabalho, nos quais se comprometeram a servir.

O núcleo de trabalho em sua estrutura ideológica introduz nos seus adeptos um modelo de crescimento. Ele propõe basicamente três itens: - uma noção de onde nos encontramos; um ideal maior para onde devemos ir; e um caminho de excelências que nos leva do primeiro para o segundo. Em todos os itens, a principal ocupação é a melhoria e o aprimoramento da nossa condição evolutiva. O crescimento dos obreiros consiste em sua autodeterminação, ou seja, sua permanência na senda que leva ao item final.

 

Certamente, em todas as áreas do serviço cristão, a troca freqüente de experiências é muito saudável. Mas o raciocínio baseado na concorrência pode se tornar bastante danosos e perturbador.

Seria razoável, portanto, que, antes de tomarmos qualquer decisão de retirar-nos da obra, consultássemos o grupo, ou o seu dirigente, visto que seria deselegante de nossa parte desistir sumariamente, sem dar qualquer satisfação. É compreensível a desistência, mas os bons modos são imprescindíveis.

 

Ninguém poderá se esquivar da parcela de empenho e vigor que lhe cabe na obra de aperfeiçoamento próprio. Quando Paulo recomendou a persistência, tornava claro o longo caminho dos que procuram as culminâncias da elevação espiritual.

Se dentro dessa campanha de fraternidade alguns deixam os encargos assumidos, outros passam a substituí-los. Se, no entanto, alguém se sentir sobrecarregado, não deverá esmorecer, pois em pouco tempo o Senhor encaminhará por certo outras criaturas para assumir as tarefas abandonadas.

 

A reciclagem na Casa Espírita é feita sempre sob os auspícios dos Benfeitores Maiores, que guiam a missão do Cristianismo Redivivo. O Pai dispõe de inúmeros recursos para manter o bem, não faltando nunca mãos dedicadas e braços valorosos na enxada da caridade;

 

Por imaturidade, muitos não valorizam os postos que lhes foram confiados para o próprio reerguimento espiritual, e desertam. Amadurecimento é conquista das criaturas que já elegeram o Mestre Nazareno como guia e modelo. Essas almas adultas herdarão o Reino dos Céus.

 

quarta-feira, janeiro 19, 2011

Frases Albert Einstein e outros pensamentos

Se os fatos não combinarem com a teoria, tome uma atitude e mude os fatos!
Albert Einstein

Em desentendimentos, brigue de forma justa. Não use palavrões.
Dalai Lama

Uma resposta branda desvia o furor, mas a palavra dura conduz à ira.
Provérbios 15:1

Se você ama alguém, deixe-o ir.
Se ele voltar, sempre foi seu. Se não voltar, nunca terá sido.
Gibran Kahlil Gibran

O sinal mais seguro da sabedoria é a constante serenidade.
Michel Eyquem de Montaigne

Quando eu tinha 14 anos, achava meu pai tão ignorante que mal podia
ficar perto dele. Mas, quando eu fiz 21, fiquei impressionado como
em sete anos ele tinha “aprendido” tanta coisa.
Mark Twain

Só há amor quando não existe nenhuma autoridade.
Raul Seixas

No mundo dos negócios todos são pagos com duas moedas: dinheiro e experiência.
Agarre a experiência primeiro; o dinheiro virá depois.
Harold Geneen

 

“A América do Norte tem a bomba atômica, mas a América do Sul tem a cocaína, que também pode destruir o país deles. Lá nos Estados Unidos está uma cheiração total. A Casa Branca nunca teve um nome tão apropriado.”

Tim Maia, citado por Nélson Motta na biografia de Tim

 

Nada contribui mais para a felicidade do que o hábito de enxergar o lado bom das coisas.

Anônimo

 

A paz é a sombra sagrada e suave lançada pela virtude.
Josh Billings

Ganhamos força, coragem e confiança por meio de cada experiência que
conseguimos enfrentar sem medo. Precisamos fazer as coisas que pensamos
não sermos capazes de realizar.
Eleanor Roosevelt

 

Quando alguém me ofende, esforço-me para elevar minha alma a um ponto tal
que a ofensa não consiga alcançá-la.
René Descartes

 

Estou feliz e satisfeito porque acho que estou.
Alain-René Lesage

Sempre existe um atalho para o caminho mais comprido.
Elizabeth Gaskell

 

Se tiveres amor, caminharás no mundo como alguém que transformou o próprio coração em chama divina a dissipar as trevas...

Emmanuel psicografado por Chico Xavier

 

Aprendi através da experiência amarga a suprema lição:

controlar minha ira e torná-la como o calor que é convertido em energia.

Nossa ira controlada pode ser convertida numa força capaz de mover o mundo.

Mahatma Gandhi

 

 

O que mais preocupa não é o grito dos violentos, nem dos corruptos, nem dos desonestos, nem dos sem ética. O que mais preocupa é o silêncio dos bons.

Martin Luther King

Inspiração vem dos outros. Motivação vem de dentro de nós.
Junior Montalvão

Nós não devemos apenas acreditar naquilo que vendemos.
Devemos também vender aquilo que acreditamos.
William Bernbach

Se ouvires atentamente a voz de Deus (…), bendito serás na cidade e bendito serás no campo. Bendito será o fruto do teu ventre, o fruto do teu solo, o fruto do teu gado,
as crias das tuas vacas e dos teus rebanhos. Bendito será o teu cesto e a tua amassadeira. Bendito serás quando entrares e bendito serás quando saíres.
Deteronômio 28:1-6

A meta do marketing é conhecer e entender o consumidor tão bem,
que o produto ou serviço se molde a ele e se venda sozinho.
Peter Drucker

Lembre-se de que a verdadeira arte de vender começa quando o freguês diz não.
H. Jackson Brown

A vida é uma série de loucuras inspiradas, mas a dificuldade está em fazê-las acontecer.
Nunca deixe passar uma oportunidade: elas não aparecem todo dia.
George Bernard Shaw

O que você vai fazer faça logo!
João 13:27

 

Creio que todas as pessoas têm um vasto potencial. A maior parte delas é capaz de
realizar coisas extraordinárias, se tiver a confiança necessária e assumir os riscos.
Philip Adams

Tudo é possível para aquele que crê.
Marcos 9:23

 

Decida ser você mesmo.
E saiba que aquele que consegue se encontrar vence os infortúnios.
Matthew Arnold

Deus comprou vocês por um alto preço: a morte de seu filho Jesus.
Portanto, não se tornem escravos de seres humanos.
1 Coríntios 7:23

 

Porque eu fazia do amor um cálculo matemático errado:
pensava que, somando as compreensões, eu amava.
Não sabia que, somando as incompreensões, é que se ama verdadeiramente.
Porque eu, só por ter tido carinho, pensava que amar é fácil.

Clarice Lispector

 

quarta-feira, janeiro 12, 2011

Piada - O ratinho e a globalizacao

Pois lembrei agora de uma anedota interessante sobre as profundas  mudanças  que nas últimas décadas tem sido promovidas no undo por conta da globalização.

 

Um ratinho andava pela rua à noite tranquilamente quando de súbito vê uma sombra vindo da esquina.

Ele logo pensou: Deve ser um gato

 

De repente ouviu um latido forte vindo do mesmo local e  considerou que sendo um cachorro não haveria perigo. Prosseguiu caminhando em direção à  esquina.

Foi quando um gato lhe atacou. O felino lhe pegou com as garras e um pouco antes de o levar à boca, ouviu o ratinho perguntar incrédulo:

-- Ma, você, latindo como um cachorro?

 

Ao que o gato respondeu:

-- Nessa onda de globalização quem não falar dois idiomas está perdido

 

O Amor é uma Falácia

Eu era frio e lógico. Sutil, calculista, perspicaz, arguto e astuto – era tudo isso. Tinha um cérebro poderoso como um dínamo, preciso como uma balança de farmácia, penetrante como um bisturi. E tinha – imaginem só – dezoito anos.

Não é comum ver alguém tão jovem com um intelecto tão gigantesco. Tomem, por exemplo, o caso do meu companheiro de quarto na universidade, Pettey Bellows. Mesma idade, mesma formação, mas burro como uma porta. Um bom sujeito,  Compreendam, mas sem nada lá
em cima. Do tipo emocional. Instável, impressionável. Pior do que tudo, dado a manias. Eu afirmo que a mania é a própria negação da razão. Deixar-se levar por qualquer nova moda que apareça, entregar a alguma idiotice só porque os outros a segue, isto, para mim, é o cúmulo da insensatez. Pettey, no entanto, não pensava assim.

      Certa tarde, encontrei-o deitado na cama com tal expressão de sofrimento no rosto que o meu diagnóstico foi imediato: apendicite.

- Não se mexa. Não tome laxante. Vou chamar o médico.

- Marmota – balbuciou ele.

- Marmota? – disse eu, interrompendo a minha corrida.

- Quero um casaco de pele de marmota – disse.

Percebi que o seu problema não era físico, mas mental.

- Por que você quer um casaco de pele de marmota?

- Eu devia ter adivinhado – gritou ele, socando a cabeça – Devia ter adivinhado que eles voltariam com o Charleston. Como um idiota, gastei todo o meu dinheiro em livros para as aulas e agora não posso comprar um casaco de pele de marmota!

- Quer dizer – perguntei incrédulo – que estão mesmo usando Casacos de pele de marmota outra vez?

- Todas as pessoas importantes da universidade estão. Onde você tem andado?

- Na biblioteca – respondi, citando um lugar não freqüentado pelas pessoas importantes da Universidade.

Ele saltou da cama e pôs-se a andar de um lado para o outro do quarto.

- Preciso conseguir um casaco de pele de marmota- disse, exaltado – Preciso mesmo.

- Por que, Pettey? Veja a coisa racionalmente. Casacos de pele de marmota são anti-higiênicos, são pesados, são feios, são …

- Você não compreende – interrompeu ele com impaciência – é o que todos estão usando. Você não quer andar na moda?

- Não – respondi, sinceramente.

- Pois eu sim – declarou ele – daria tudo para ter um casaco de pele de marmota. Tudo.

Aquele instrumento de precisão, meu cérebro, começou a funcionar a todo vapor.

- Tudo? – perguntei, examinando seu rosto com olhos semicerrados.

- Tudo – confirmou ele, em tom dramático.

Alisei o queixo, pensativo. Eu, por acaso, sabia onde encontrar um casaco de pele de marmota. Meu pai usara um nos seus tempos de estudante; estava agora dentro de um baú, no sótão da casa. E, também por acaso, Petey tinha algo que eu queria. Não era dele, exatamente, mas pelo menos ele tinha alguns direitos sobre ela. Refiro-me à sua namorada, Polly Spy.

Eu há muito desejava Polly Spy. Apresso-me a esclarecer que o meu desejo não era de natureza emotiva. A moça, não há dúvida, despertava emoções, mas eu não era daqueles que se deixam dominar pelo coração. Desejava Polly para fins engenhosamente calculados e inteiramente cerebrais.

Cursava eu o primeiro ano de direito. Dali a algum tempo, estaria me iniciando na profissão. Sabia muito bem a importância que tinha a esposa na vida e na carreira de um advogado. Os advogados de sucesso, segundo as minhas observações, eram quase sempre casados com mulheres bonitas, graciosas e inteligentes. Com uma única exceção, Polly preenchia perfeitamente estes requisitos.

Era bonita. Suas proporções ainda não eram clássicas, mas eu tinha certeza de que o tempo se encarregaria de fornecer o que faltava. A estrutura básica estava lá.

Graciosa também era. Por graciosa quero dizer cheia de graças sociais. Tinha porte ereto, a naturalidade no andar e a elegância que deixavam transparecer a melhor das linhagens. Á mesa, suas maneiras eram finíssimas. Eu já vira Polly no barzinho da escola comendo a especialidade da casa – um sanduíche que continha pedaços de carne assada, molho, castanhas e repolho – sem nem sequer umedecer os dedos.

Inteligente ela não era. Na verdade, tendia para o oposto. Mas eu confiava em que, sob a minha tutela, haveria de tornar-se brilhante. Pelo menos valia a pena tentar. Afinal de contas, é mais fácil fazer uma moça bonita e burra ficar inteligente do que uma moça feia e inteligente ficar bonita.

- Petey – perguntei – você ama Polly Spy?

- Eu acho que ela é interessante – respondeu – mas não sei se chamaria isso de amor. Por que?

- Você – continuei – tem alguma espécie de arranjo formal com ela? Quero dizer, vocês saem exclusivamente um com o outro?

- Não. Nos vemos seguidamente. Mas saímos os dois com outros também. Por que?

- Existe alguém – perguntei – algum outro homem que ela goste de maneira especial?

- Que eu saiba não. Por que?

Fiz que sim com a cabeça, satisfeito.

- Em outras palavras, a não ser por você, o campo está livre, é isso?

- Acho que sim. Aonde você quer chegar?

- Nada, anda – respondi com inocência, tirando minha mala de dentro do armário.

- Onde é que você vai? – quis saber Pettey.

- Passar o fim de semana em casa.

Atirei algumas roupas dentro da mala.

- Escute – disse Pettey, apegando-se com força ao meu braço – em casa, será que você não poderia pedir dinheiro ao seu pai, e me emprestar para comprar um casaco de pele de marmota?

- Posso até fazer mais do que isso – respondi, piscando o olho misteriosamente. Fechei a mala e saí.

- Olhe – disse a Pettey, ao voltar na segunda feira de manhã. Abri a mala e mostrei o enorme objeto cabeludo e fedorento que meu pai usara ao volante de seu Stutz Beacat em 1955.

- Santo Pai – exclamou Pettey com reverência. Passou as mãos no casaco e depois no rosto.

- Santo Pai – repetiu, umas quinze ou vinte vezes.

- Você gostaria de ficar com ele? – perguntei.

- Sim – gritou ele, apertando a coisa contra o peito. Em seguida, seus olhos assumiram um ar precavido. – O que quer em troca?

- A sua namorada – disse eu, não desperdiçando palavras.

- Polly? – sussurrou Pettey, horrorizado. – Você quer a Polly?

- Isso mesmo.

Ele jogou a jaqueta pra longe.

- Nunca – declarou resoluto.

Dei de ombros.

- Tudo bem. Se você não quer andar na moda, o problema é seu.

Sentei-me numa cadeira e fingi que lia um livro, mas continuei espiando Pettey, com o rabo dos olhos. Era um homem partido
em dois. Primeiro olhava para o casaco com a expressão de uma criança desamparada diante da vitrine de uma confeitaria. Depois dava-lhe as costas e cerrava os dentes, altivo. Depois voltava a olhar para o casaco. Com uma expressão ainda maior de desejo no rosto. Depois virava-se outra vez, mas agora sem tanta resolução. Sua cabeça ia e vinha, o desejo ascendendo, a resolução descendendo. Finalmente, não se virou mais: ficou olhando para o casaco com pura lascívia.

- Não é como se eu estivesse apaixonado por Polly – balbuciou. – Ou mesmo namorando sério, ou coisa parecida.

- Isso mesmo – murmurei.

- Afinal, Polly significa o que para mim, ou eu pra ela?

- Nada – respondi.

- Foi uma coisa banal. Nos divertimos um pouco. Só isso.

- Experimente – disse eu.

Ele obedeceu. O casaco caía até os pés. Ele parecia um monte de marmotas mortas

- Serve perfeitamente – disse, contente.

Levantei-me da cadeira e perguntei, estendendo a mão.

- Negócio feito?

Ele engoliu a seco.

- Feito – disse, e apertou a minha mão.

Saí com Polly pela primeira vez na noite seguinte.

O Primeiro programa teria o caráter de pesquisa preparatória. Eu desejava saber o trabalho que me esperava para elevar a sua mente ao nível desejado. Levei-a para jantar.

- Puxa, que jantar bacana! – disse ela, quando saímos do restaurante. Fomos ao cinema.

- Puxa, que filme bacana! – disse ela, quando saímos do cinema.

Levei-a para casa.

- Puxa, foi um programa bacana! – disse ela, ao nos despedirmos.

Voltei para o quarto com o coração pesado. Eu subestimara gravemente as proporções da minha tarefa. A ignorância daquela moça era aterradora. E não seria o bastante apenas instruí-la. Era preciso, antes de tudo, ensiná-la a pensar. O empreendimento se me afigurava gigantesco, e a princípio me vi inclinado a devolvê-la a Pettey. Mas aí comecei a pensar nos seus dotes físicos generosos e na maneira como entrava numa sala ou segurava uma faca, um garfo, e decidi tentar novamente.

Procedi, como sempre, sistematicamente. Dei-lhe um curso de Lógica. Acontece que, como estudante de direito, eu freqüentava na ocasião aulas de Lógica, e portanto tinha tudo na ponta da língua.

- Polly – disse eu, quando fui buscá-la para o nosso segundo encontro. – Esta noite vamos até o parque conversar.

- Ah, que bacana! – respondeu ela.

Uma coisa deve ser dita em favor da moça: seria difícil encontrar alguém tão bem disposta para tudo.

Fomos até o parque, o local de encontros da universidade, nos sentamos debaixo de uma árvore, e ela me olhou cheia de expectativa.

- Sobre o que vamos conversar? – perguntou.

- Sobre Lógica.

Ela pensou durante alguns segundos e depois sentenciou:

- bacana!

- A Lógica – comecei, limpando a garganta – é a ciência do pensamento. Se quisermos pensar corretamente, é preciso antes saber identificar as falácias mais comuns da Lógica. É o que vamos abordar hoje.

- bacana! – exclamou ela, batendo palmas de alegria.

Fiz uma careta, mas segui em frente, com coragem.

- Vamos primeiro examinar uma falácia chamada Dicto Simpliciter.

- Vamos – animou-se ela, piscando os olhos com animação.

- Dicto Simpliciter quer dizer um argumento baseado numa generalização não qualificada. Por exemplo: o exercício é bom, portanto todos devem se exercitar.

- Eu estou de acordo – disse Polly, fervorosamente. – Quer dizer, o exercício é maravilhoso. Isto é, desenvolve o corpo e tudo.

- Polly – disse eu, com ternura – o argumento é uma falácia. Dizer que o exercício é bom é uma generalização não qualificada. Por exemplo: para quem sofre do coração, o exercício é ruim. Muitas pessoas têm ordem de seus médicos para não exercitarem. É preciso qualificar a generalização. Deve-se dizer: o exercício é geralmente bom, ou é bom para a maioria das pessoas. Do contrário está-se cometendo um Dicto Simpliciter. Você compreende?

- Não – confessou ela. – Mas isso é bacana. Quero mais. Quero mais!

- Será melhor se você parar de puxar a manga da minha camisa – disse eu e, quando ela parou, continuei:

- Em seguida, abordaremos uma falácia chamada generalização apressada. Ouça com atenção: você não sabe falar francês, eu não sei falar francês, Petey Bellows não sabe falar francês. Devo portanto concluir que ninguém na universidade sabe falar francês.

- É mesmo? – espantou-se Polly. – Ninguém?

Contive a minha impaciência.

- É uma falácia, Polly. A generalização é feita apressadamente. Não há exemplos suficientes para justificar a conclusão.

- Você conhece outras falácias? – perguntou ela, animada. – Isto é até melhor do que dançar.

- Esforcei-me por conter a onda de desespero que ameaçava me invadir. Não estava conseguindo nada com aquela moça, absolutamente nada. Mas não sou outra coisa senão persistente. Continuei.

- A seguir, vem o Post Hoc. Ouça: Não levemos Bill conosco ao piquenique. Toda vez que ele vai junto, começa a chover.

- Eu conheço uma pessoa exatamente assim – exclamou Polly. – Uma moça da minha cidade, Eula Becker. Nunca falha. Toda vez que ela vai junto a um piquenique…

- Polly – interrompi, com energia – é uma falácia. Não é Eula Becker que causa a chuva. Ela não tem nada a ver com a chuva. Você estará incorrendo
em Post Hoc, se puser a culpa na Eula Becker.

- Nunca mais farei isso – prometeu ela, constrangida. – Você está brabo comigo?

- Não Polly – suspirei. – Não estou brabo.

- Então conte outra falácia.

- Muito bem. Vamos experimentar as premissas contraditórias.- Vamos – exclamou ela alegremente.

Franzi a testa, mas continuei.

- Aí vai um exemplo de premissas contraditórias. Se Deus pode fazer tudo, pode fazer uma pedra tão pesada que ele mesmo não conseguirá levantar?

- É claro – respondeu ela imediatamente.

- Mas se ele pode fazer tudo, pode levantar a pedra.

- É mesmo – disse ela, pensativa. – Bem, então eu acho que ele não pode fazer a pedra.

- Mas ele pode fazer tudo – lembrei-lhe.

Ela coçou a cabeça linda e vazia.

- Estou confusa – admitiu.

- É claro que está. Quando as premissas de um argumento se contradizem, não pode haver argumento. Se existe uma força irresistível, não pode existir um objeto irremovível. Compreendeu?

- Conte outra dessas histórias bacanas – disse Polly, entusiasmada.

Consultei o relógio.

- Acho melhor parar por aqui. Levarei você em casa, e lá pensará no que aprendeu hoje. Teremos outra sessão amanhã.

Deixei-a no dormitório das moças, onde ela me assegurou que a noitada fora realmente bacana, e voltei desanimadamente para o meu quarto. Petey roncava sobre sua cama, com a jaqueta de couro encolhida a seus pés. Por alguns segundos, pensei em acordá-lo e dizer que ele podia ter Polly de volta. Era evidente que o meu projeto estava condenado ao fracasso. Ela tinha, simplesmente, uma cabeça à prova de Lógica.

Mas logo reconsiderei. Perdera uma noite, por que não perder outra? Quem sabe se em alguma parte daquela cratera de vulcão adormecido que era a mente de Polly, algumas brasas ainda estivessem vivas. Talvez, de alguma maneira, eu ainda conseguisse abaná-las até que flamejasse. As perspectivas não eram das mais animadoras, mas decidi tentar outra vez.

Sentado sob uma árvore, na noite seguinte, disse:

- Nossa primeira falácia desta noite se chama ad misericordiam.

Ela estremeceu de emoção.

- Ouça com atenção – comecei – Um homem vai pedir emprego. Quando o patrão pergunta quais as suas qualificações, o homem responde que tem uma mulher e dois filhos em casa, que a mulher e aleijada, as crianças não tem o que comer, não tem o que vestir nem o que calçar, a casa não tem camas, não há carvão no porão e o inverno se aproxima.

Uma lágrima desceu por cada uma das faces rosadas de Polly.

- Isso é horrível, horrível! – soluçou.

- É horrível – concordei – mas não é um argumento. O homem não respondeu à pergunta do patrão sobre as suas qualificações. Ao invés disso, tentou despertar a sua compaixão. Cometeu a falácia de ad misericordiam. Compreendeu?

Dei-lhe um lenço e fiz o possível para não gritar enquanto ela enxugava os olhos.

- A seguir – disse, controlando o tom da voz – discutiremos a falsa analogia. Eis um exemplo: deviam permitir aos estudantes consultar seus livros durante os exames. Afinal, os cirurgiões levam as radiografias para se guiarem durante uma operação, os advogados consultam seus papéis durante um julgamento, os construtores têm plantas que os orientam na construção de uma casa. Por que, então, não deixar que os alunos recorram a seus livros durante uma prova?

- Pois olhe – disse ela entusiasmada – está e a idéia mais interessante que eu já ouvi há muito tempo.

- Polly – disse eu com impaciência – o argumento é falacioso. Os cirurgiões, os advogados e os construtores não estão fazendo teste para ver o que aprenderam, e os estudantes sim. As situações são completamente diferentes e não se pode fazer analogia entre elas.

- Continuo achando a idéia interessante – disse Polly.

- Santo Cristo! – murmurei, com impaciência.

- A seguir, tentaremos a hipótese contrária ao fato.

- Essa parece ser boa – foi a reação de Polly.

- Preste atenção: se Madame Curie não deixasse, por acaso, uma chapa fotográfica numa gaveta junto com uma pitada de pechblenda, nós hoje não saberíamos da existência do rádio.

- É mesmo, é mesmo – concordou Polly, sacudindo a cabeça. – Você viu o filme? Eu fiquei louca pelo filme. Aquele Walter Pidgeon é tão bacana! Ele me faz vibrar.

- Se conseguir esquecer o Sr. Pidgeon por alguns minutos – disse eu, friamente – gostaria de lembrar que o que eu disse é uma falácia. Madame Curie teria descoberto o rádio de alguma outra maneira. Talvez outra pessoa o descobrisse. Muita coisa podia acontecer. Não se pode partir de uma hipótese que não é verdadeira e tirar dela qualquer conclusão defensável.

- Eles deviam colocar o Walter Pidgeon em mais filmes – disse Polly – Eu quase não vejo ele no cinema.

Mais uma tentativa, decidi. Mas só mais uma. Há um limite para o que podemos suportar.

- A próxima falácia é chamada de envenenar o poço.

- Que engraçadinho! – deliciou-se Polly.

- Dois homens vão começar um debate. O primeiro se levante e diz: ‘o meu oponente é um mentiroso conhecido. Não é possível acreditar numa só apalavra do que ele disser’. Agora, Polly, pense bem, o que está errado?

Vi-a enrugar a sua testa cremosa, concentrando-se. De repente, um brilho de inteligência – o primeiro que vira – surgiu nos seus olhos.

- Não é justo! – disse ela com indignação – Não é justo. O primeiro envenenou o poço antes que os outros pudesse beber dele. Atou as mãos do adversário antes da luta começar… Polly, estou orgulhoso de você.

- Ora – murmurou ela, ruborizando de prazer.

- Como vê, minha querida, não é tão difícil. Só requer concentração. É só pensar, examinar, avaliar. Venha, vamos repassar tudo o que aprendemos até agora.

- Vamos lá – disse ela, com um abano distraído da mão.

Animado pela descoberta de que Polly não era uma cretina total, comecei uma longa e paciente revisão de tudo o que dissera até ali. Sem parar citei exemplos, apontei falhas, martelei sem dar trégua. Era como cavar um túnel. A princípio, trabalho duro e escuridão. Não tinha idéia de quando veria a luz ou mesmo se a veria. Mas insisti. Dei duro, até que fui recompensado. Descobri uma fresta de luz. E a fresta foi se alargando até que o sol jorrou para dentro do túnel, clareando tudo.

Levara cinco noites de trabalho forçado, mas valera a pena. Eu transformara Polly em uma lógica, e a ensinara a pensar. Minha tarefa chegara a bom termo. Fizera dela uma mulher digna de mim. Está apta a ser minha esposa, uma anfitriã perfeita para as minhas muitas mansões. Uma mãe adequada para os meus filhos privilegiados.

Não se deve deduzir que eu não sentia amor por ela. Muito pelo contrário. Assim como Pigmaleão amara a mulher perfeita que moldara para si, eu amava a minha. Decidi comunicar-lhe os meus sentimentos no nosso encontro seguinte. Chegara a hora de mudar as nossas relações, de acadêmicas para românticas.

- Polly, disse eu, na próxima vez que nos sentamos sob a árvore – hoje não falaremos de falácias.

- Puxa! – disse ela, desapontada.

- Minha querida – prossegui, favorecendo-a com um sorriso – hoje é a sexta noite que estamos juntos. Nos demos esplendidamente bem. Não há dúvidas de que formamos um bom par.

- Generalização apressada – exclamou ela, alegremente.

- Perdão – disse eu.

- Generalização apressada – repetiu ela. – Como é que você pode dizer que formamos um bom par baseado em apenas cinco encontros?

Dei uma risada, contente. Aquela criança adorável aprendera bem as suas lições.

- Minha querida – disse eu, dando um tapinha tolerante na sua mão – cinco encontros são o bastante. Afinal, não é preciso comer um bolo inteiro para saber se ele é bom ou não.

- Falsa Analogia – disse Polly prontamente – eu não sou um bolo, sou uma pessoa.

Dei outra risada, já não tão contente. A criança adorável talvez tivesse aprendido a sua lição bem demais. Resolvi mudar de tática. Obviamente, o indicado era uma declaração de amor simples, direta e convincente. Fiz uma pausa, enquanto o meu potente cérebro selecionava as palavras adequadas. Depois reiniciei.

- Polly, eu te amo. Você é tudo no mundo pra mim, é a lua e a estrelas e as constelações no firmamento. For favor, minha querida, diga que será minha namorada, senão a minha vida não terá mais sentido. Enfraquecerei, recusarei comida, vagarei pelo mundo aos tropeções, um fantasma de olhos vazios.

Pronto, pensei; está liquidado o assunto.

- Ad misericordiam – disse Polly.

Cerrei os dentes. Eu não era Pigmaleão; era Frankenstein, e o meu monstro me tinha pela garganta. Lutei desesperadamente contra o pânico que ameaçava invadir-me. Era preciso manter a calma a qualquer preço.

- Bem, Polly – disse, forçando um sorriso – não há dúvida que você aprendeu bem as falácias.

- Aprendi mesmo – respondeu ela, inclinando a cabeça com vigor.

- E quem foi que ensinou a você, Polly?

- Foi você.

- Isso mesmo. E portanto você me deve alguma coisa, não é mesmo, minha querida? Se não fosse por mim, você nunca saberia o que é uma falácia.

- Hipótese Contrária ao Fato – disse ela sem pestanejar.

Enxuguei o suor do rosto.

- Polly – insisti, com voz rouca – você não deve levar tudo ao pé da letra. Estas coisas só têm valor acadêmico. Você sabe muito bem que o que aprendemos na escola nada tem a ver com a vida.

- Dicto Simpliciter – brincou ela, sacudindo o dedo na minha direção.

Foi o bastante. Levantei-me num salto, berrando como um touro.

- Você vai ou não vai me namorar?

- Não vou – respondeu ela.

- Por que não? – exigi.

- Porque hoje à tarde eu prometi a Pettey Bellows que eu seria a namorada dele.

Quase caí para trás, fulminado por aquela infâmia. Depois de prometer, depois de fecharmos negócio, depois de apertar a minha mão!

- Aquele rato! – gritei, chutando a grama. – Você não pode sair com ele, Polly. É um mentiroso. Um traidor. Um rato.

- Envenenar o poço – disse Polly – E pare de gritar. Acho que gritar também deve ser uma falácia.

Com uma admirável demonstração de força de vontade, modulei a minha voz.

- Muito bem – disse – você é uma lógica. Vamos olhar as coisas logicamente. Como pode preferir Pettey Bellows? Olhe para mim: um aluno brilhante, um intelectual formidável, um homem com futuro assegurado. E veja Pettey: um maluco, um boa vida, um sujeito que nunca saberá se vai comer ou não no dia seguinte. Você pode me dar uma única razão lógica para namorar Pettey Bellows?

- Posso sim – declarou Polly – Ele tem um casaco de pele de marmota.

 

Max Shulman

 

 

 

Receba por E-mail

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner

Agregadores